ÚLTIMAS
recent

Estreia: 'Sem direito a resgate' tem Jennifer Aniston sequestrada.

Estreia: 'Sem direito a resgate' tem Jennifer Aniston sequestrada.
Longa repete personagens de 'Jackie Brown', de Quentin Tarantino.
Histórias se inspiram em livros escritos por Elmore Leonard.

O título original de “Sem direito a resgate” faz jus aos caminhos seguidos pelos seus personagens: “Life of crime”, ou seja, uma “vida de crime”. O cabeça do esquema de evasão de divisas, uma golpista e um neonazista são alguns dos integrantes do painel contraventor do filme, junto com a dupla de sequestradores Ordell Robbie (Yasiin Bey, atual alcunha do ator e rapper conhecido antes como Mos Def) e Louis Gara (John Hawkes).

Aquele leitor cinéfilo que tem uma memória afiadíssima pode perguntar se estes não são os nomes dos personagens vividos por Samuel L. Jackson e Robert De Niro, respectivamente, em “Jackie Brown” (1997). A resposta é "sim", e a razão está na origem de ambas as produções.

A homenagem de Quentin Tarantino à blackexplotaition – movimento cinematográfico realizado e protagonizado pelos negros na década de 1970 – se inspirava no romance policial de Elmore Leonard (1925-2013), “Ponche de rum” (1992), em que o autor contava uma nova história com os dois criminosos que já havia apresentado em “The switch” (1978), justamente o livro adaptado neste longa de Daniel Schechter.

Aqui, Robbie e Gara aparecem – mais jovens do que no filme anterior – como sequestradores atrapalhados que, com a ajuda do simpatizante do nazismo e de armas, Richard (Mark Boone Junior), raptam Mickey (Jennifer Aniston), a esposa de Frank Dawson (Tim Robbins), um homem aparentemente distinto, na realidade, um corrupto que desvia dinheiro de construções para suas contas nas Bahamas.

O fato de cruzarem, no momento da captura da loira, com Marshall (Will Forte), um amigo dos Dawson que é apaixonado pela mãe da família, torna-se o menor dos problemas da dupla.

Ao exigirem do marido US$ 1 milhão pela libertação da refém, eles descobrem que Frank não está disposto a pagar o resgate, pois nunca dera muita atenção a sua mulher, tanto que já estava ao lado de sua bela amante Melanie (Isla Fisher) em pleno paraíso caribenho.

Com apenas dois filmes de baixíssimo orçamento – “Goodbye baby” (2007) e “Supporting characters” (2012) – no currículo, Schechter era um diretor e roteirista desconhecido, mas que teve tudo a seu favor neste projeto. Contou com grandes nomes no elenco, a boa ambientação dos anos 70, especialmente nos figurinos, e, claro, o humor negro do texto de Leonard, cujos diálogos até que são mantidos em uma adaptação aparentemente fiel.
Entretanto, o jovem cineasta não consegue tirar um resultado satisfatório ao desperdiçar esse potencial em uma obra que não encontra sua identidade, ou seja, o tom certo.

De fato, desde o início, “Sem direito a resgate” mostra que não foi feito para arrancar gargalhadas da plateia a todo o momento. Contudo, é necessário que o espectador esteja empolgado para dar mais do que breves sorrisos durante a exibição.

Por outro lado, o drama, o romance e a ação criminal são apresentados de maneira bem superficial, tal como a caracterização de alguns personagens, a exemplo do Ordell – sem falar no desenvolvimento falho dado ao seu cúmplice neonazista durante a trama. Por isso, não há um equilíbrio entre os gêneros que sustente bem a história.

O elenco faz o possível com o que tem em mãos. Jennifer Aniston tenta imprimir o seu timing cômico, mas sem o sucesso esperado, apesar de ser o grande destaque, depois de John Hawkes, que dosa bem a docilidade e a firmeza do seu Louis em uma relação com toques de Síndrome de Estocolmo com sua refém. Esta é uma das poucas coisas a se resgatar, aliás, em um filme que pode até entreter, mas que facilmente se perde na memória do público.

* As opiniões expressas são responsabilidade do * Cineweb *
Fonte da Notícia: CINEWEB
Notícias Atuais

Notícias Atuais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Voltar ao Topo
Tecnologia do Blogger.